sexta-feira, 25 de setembro de 2009

As Fotografias

Cláudia Magalhães



O mal-estar que sinto antecipa o erro que estou prestes a cometer. Clarice, cega há um ano, devido ao acidente que sofreu com Paulo, seu atual marido, precisa do meu relato. Tenho medo, mas não vejo outra saída. Encontrei-a, alguns meses atrás, saindo de um restaurante japonês com a sua mãe, e tornei-me, novamente, sua grande amiga. Falou da sua eterna paixão pela cozinha italiana e japonesa. Para meu espanto, estava segura e feliz com seu novo amor. Ele se tornou mais carinhoso e mais apaixonado. O amor que recebo é tão grande e verdadeiro que, depois de cega, passei a enxergá-lo. Ele tem a forma mais-que-perfeita e a palavra esperada como guia. Diante da vida, ele é tudo. Quando calmo e sereno, me faz chorar de emoção, e quando chateado, faz uma cara tão feia que me dá vontade de rir. Todos os dias, sem susto, ele queima minhas inseguranças, me livra de futuras cicatrizes, me deixa leve a carne, em fogo, pronta para cheirar as cores, pra enxergar o que não pode ser visto, pronta para o amor, disse-me, certo dia, com lágrimas nos olhos.
Observo, agora, sua vulnerabilidade e uma espécie de coceira na alma, que não consigo descrever bem, me impulsiona a falar:

- Eles chegaram. É uma bela mulher!

- Como ela é? Não me poupe dos detalhes, por favor! – implora com docilidade.

- Ela usa um vestido azul, justo, que revela um belo corpo e sandálias altas deixando-a na mesma altura que ele, que está de calça jeans e com uma camisa verde de mangas curtas...

- Eu dei essa camisa de presente a ele quando completamos dois anos de casados. É a minha cor preferida... – parou com a voz embargada. Respirou fundo e pediu - Continue.

- Ele a abraça com ternura e ela retribui o carinho cobrindo-o de beijos no rosto, até alcançar-lhe a boca. Quanta paixão eles exalam. Ela, agora, cochicha algo em seu ouvido arrancando-lhe um enorme sorriso. Isso me faz lembrar Carlos, de quando estamos em nossa intimidade e sussurro palavras picantes ao seu ouvido, ele fica louco de desejo...

- Pare! Não quero ouvir mais nada.

- Entendo.

Ela chora baixinho por alguns segundos. Abre a bolsa nervosamente, retira um elástico e prende os cabelos negros, que tanto realçam sua pele clara, num rabo de cavalo. Não resisto e começo a chorar, afinal, conheço bem essa dor. Quando ligo o carro para irmos, ela segura em meu ombro e implora:

- Vamos ficar mais um pouco. Continue, preciso recorrer às suas palavras, ao menos elas serão fiéis aos fatos e darão a medida exata da dor que devo sentir.

Continuo narrando sabendo que a natureza da minha ação não é bondosa. Desejo fugir, mas a minha vontade de ficar pesa e esmaga o meu medo. Uma vontade machucada, e por isso, inteligente, criativa. Agora, não é somente essa vontade que pesa, mas todo o meu corpo. Algumas pessoas dariam o nome de “maldade” a esse peso, mas na verdade é somente um meio de salvação. Olhando para o vazio, continuo inventando uma paixão rica em detalhes. Criando uma situação que não existe, me vingo, destruo o amor cego de Clarice.

Uma hora depois, paro o carro em frente à sua casa. Por um instante, tenho a vontade de lhe contar uma história bonita, de voltar atrás.

- Chegamos, amiga – digo com ternura.

- Não queria me separar de você. Não queria ficar só – fala com voz trêmula.

- Gostaria de ficar e te fazer companhia, mas infelizmente preciso ir. Carlos deve estar me esperando para o jantar. O que você pretende fazer?

- Ainda não sei. De qualquer forma, obrigada por tudo – fala entregando-se a um choro profundo.

- É para isso que servem as amigas, querida – Nos abraçamos por um bom tempo. Ela estava nitidamente abalada. Sabia que rumo sua mente tomaria de agora em diante. Se antes era capaz de acreditar no sofrimento das flores, agora pregaria a inexistência de Deus. Parti me sentindo suja, vil, pérfida. Mas a certeza que tenho, minutos depois, de que o amor é realmente cego, esmaga a minha violência, a minha injustiça.

Chego em casa antes das seis da tarde. Carlos ainda não chegou do trabalho. Vou direto ao guarda-roupa e retiro, debaixo de uma pilha de casacos, duas fotografias. Na primeira, Clarice e Carlos sentados na areia de uma praia que costumamos freqüentar. Ele está lindo, com um sorrido doce, encantador. Na outra, uma foto nossa, também sentados na mesma praia, onde ele sorri com amargura. Amargura, talvez, imperceptível para alguns, mas não para mim. Através dessas duas fotografias descobri o seu segredo. O seu olhar, a sua postura, o seu sorriso na primeira, revelam o real motivo de continuarmos freqüentando, sempre, a mesma praia, da sua paixão por comida italiana e japonesa e da cor verde nas paredes do nosso quarto. Choro, agora, diante da nossa fotografia. Pintei meus cabelos de negro e há muito não tomo sol. Talvez eu fosse mais feliz se fosse sozinha, não precisaria dar beleza ao que deveria desprezar. Escuto o barulho da porta se abrindo. Segundos depois, Carlos entra no quarto, me beija apaixonadamente e diz que sou a mulher da sua vida. Fala tão docemente que chego a ter total certeza do seu amor. Lembro de Clarice, e nesse momento ela não é mais inatingível, não é maior ou melhor que eu. Eu a atingi no peito e fui embora, deixando-a em sua casa e no meu passado, até chegar o momento de, novamente, encarar as fotografias.

19 comentários:

Cefas Carvalho disse...

Lindo texto, amor meu, direto e ao mesmo tempo lírico. O amor é sempre cego. Beijos.

Adriano Medeiros disse...

Que maravilha de texto ou melhor dizendo de textos... Nada mais intenso, belo e sencível...
Meus parabéns!

Sulla Mino disse...

O amor...Sempre com seus mistérios e segredos! Parabéns pelo belo texto, estou encantada, pasma diante de tão belas palavras aos meus olhos. sua fã, Sulla

Rodrigo Dantas Soares disse...

Como sempre .. um belo texto ..
e como sempre muito envolvente
hehe , até me identifiquei em alguns momentos !
rsrs

Beijos grandes !

Regina disse...

Como sempre, seu texto me fascina.
Todos nos tornamos cegos diante do amor..
bjs

Nivaldete disse...

Bela Cláudia, seus textos deixam sempre uma espécie de mormaço dentro da gente... porque você tem uma alma febril! Um cheirooooooo!

Francione Clementino disse...

BELO!!! Vai ficar chato, se novamente, eu elogiar a forma como você trata os relacionamentos???

Se ficar chato me perdoe, mas você sabe como ninguém falar de relacionamentos!

Mais uma vez: PARABÉNS!!!

gdec disse...

Li estes seus dois últimos textos . Densos, dramáticos, extremamente bem escritos . Voltarei para ler o resto porque é preciso mastigar a sua literatura .
Gostei muito de a conhecer .
seu
Geraldes de Carvalho

Anônimo disse...

Uso este espaço para dizer-lhe que tenho lido os seus textos desde que comecei recebê-los por INTERNET, são textos de uma escritora excepcional, criativos e de um talento admirável. Por isto, tenho os publicado em meu blog: http://saber-literario.blogspot.com e os coloquei também num quadro especial: "Melodia da palavra" em "link". Espero que não tenha nada contra,não é uma usurpação de suas obras, mas divulgá-las em reconhecimento ao seu trabalho literário. Rilvan

Marcelo Novaes disse...

Retrato sem retoques de certos viéses "amorosos".



Muito bem narrado.






Beijos,











Marcelo.

Cristina Carla disse...

Amiga, é sempre bom ver seu crescimento,
vc merece!
um grandessíssimo abraço!

Rafael Ary disse...

Muito intenso, seu texto, muito! Quero ler a peça que você editou. Quando chegar em Natal, vou ver. Põe meu blog no seus links.... o seu já está no meu...

beijos grandes

Mirse Maria disse...

Uma narrativa esplendorosa, que prende do início ao fim.

A cegueira deveria ser sinônimo do amor.

Surpreendeu-me e emocionou-me!

Parabéns, Claudia!

Beijos

Mirse

Mme. S. disse...

Texto comovente. Um cheiro, querida.

Jê Cristina de Souza disse...

Oi claudinha, lindo o conto, linda as fotos, parabéns como sempre! abalando bangú.
bjao

Fanzine Episódio Cultural disse...

ANJO NEGRO

Como um relâmpago
Ela entrou em minha vida,
Tão inesperadamente como saiu.

Não me deixou rastros
E nem carta de despedida,
Meu anjo negro retornou às estrelas.

Suas asas cobriram-me,
Seus lábios devolveram-me a vida.
Retirando-me o gosto amargo de viver,
Meu anjo protegeu-me
Pousando em meu coração.

Meu anjo negro retornou às estrelas
Deixando-me órfão
Para abraçar o meu/seu vazio.

Agora sou um prisioneiro sem cela
Que, ao ser despertado pela luz da manhã,
Busca refúgio ao final do dia
À espera do retorno
Que a noite nega-se a permitir.

*Agamenon Troyan é autor do livro O ANJO E A TEMPESTADE

Fanzine Episódio Cultural disse...

ae

Fanzine Episódio Cultural disse...

O Fanzine Episódio Cultural é uma jornal bimestral (Machado-MG/Brasil) sem fins lucrativos distribuído gratuitamente em várias instituições culturais, entre elas: Casa das Rosas (SP/SP), Inst. Moreira Salles (Poços de Caldas-MG) e Cia Bella de Artes (Poços de Caldas-MG). De acordo com o editor e poeta mineiro Carlos Roberto de Souza (Agamenon Troyan), “o objetivo é enfocar assuntos relacionados à cultura, e oferecer um espaço gratuito para que escritores, poetas, atores, dramaturgos, artistas plásticos, músicos, jornalistas... possam divulgar suas expressões artísticas”. yc

doni seo disse...

obat kuat

pemutih badan

obat asam urat

obat pelangsing

obat hernia

obat diabetes

obat herbal

game pc

obat kuat semarang