quinta-feira, 25 de junho de 2009

Lua Negra


Cláudia Magalhães



É através da vontade, de uma grande vontade, que um amor se prende a outro, o resto é solidão, erro que cola à alma dos que não cedem, não insistem ou simplesmente não o aceitam em sua essência, penso eu. Como me chamo? Ora, que importa meu nome? Iguais a ele existem milhares de outros no mundo, e o que difere as mulheres uma das outras são as intensidades de suas vontades, metade delas na cabeça, a outra metade em suas luas que renovam o mundo quando levantam as saias.
É certo que essa renovação depende, por um lado, da qualidade do ventre, um ventre imundo só pode gerar criaturas imundas, e por mais que a alma seja limpa, perfumada, o simples contato de um com o outro acaba por contaminá-la. Por outro lado, temos a participação do sêmen que, movido pelo acaso, pode doar sua melhor ou pior parte. É dessa forma que construímos o mundo, sim, nós, posto que deus é puro demais para isso.
Nesse mundo, nasci. Em uma rua qualquer, numa cidade qualquer. Informações que não posso revelar, pelo simples fato que, algumas horas após meu nascimento, ainda cheirando a sangue, fui posta enrolada num lençol sujo, fétido, presumo, na porta de Carmem e Manoel, um casal distinto, donos de uma pensão.
Seja por bondade divina, seja por desejar algum lugar no paraíso ou por mera curiosidade humana, ou seja ainda por pura piedade desprovida de qualquer interesse (Se é que isso, realmente, existe!), os donos da pensão me adotaram como filha, a partir daí, passamos a sentir um amor grande demais para não matar, roubar ou trair.
Tímida, cresci indo da escola para casa durante a semana, e de casa para a igreja aos domingos, onde conheci o meu marido, Paulo, primeiro e único namorado, ambos com dezessete anos, no ano em que concluíamos o segundo grau e que nos preparávamos para o vestibular. Infelizmente, minha mãe veio a falecer nesse período, o que me fez adiar a faculdade para cuidar do meu pai, já com setenta e dois anos, e da pensão. Nesse mesmo ano, me casei e, no ano seguinte, realizei o maior sonho dele, ter um neto. Nunca morri de amores por Paulo. Éramos na verdade mais amigos que amantes, além disso, éramos bem parecidos, extremamente tímidos. Na verdade achava a minha vida monótona e sem graça.

Cuidava da pensão sozinha, desde as refeições servidas até a troca de uma lâmpada, posto que Paulo tem aversão a qualquer tarefa doméstica. A pensão é pequena. Um primeiro andar cor de abóbora, recuada, sem muro, com um pequeno jardim na entrada. No térreo, temos uma espaçosa varanda, onde geralmente me deito para ler enquanto meu filho brinca, uma sala de tv, a cozinha, dois banheiros e um enorme quintal. No andar superior temos seis quartos, um do meu pai, outro meu e de Paulo, e o restante são ocupados geralmente por estudantes universitários.

No quarto ano de casamento, enquanto meu filho tirava um cochilo depois do almoço, e eu descansava na rede da varanda lendo Bel-Ami, de Maupassant, Clara apareceu. Era uma estudante de jornalismo e procurava um lugar mais barato e próximo da faculdade. Extremamente comunicativa, não necessariamente bonita, mas tinha certo charme. Alta, cabelos castanhos, curtos e um sorriso cheio, encantador. Acertamos sua estadia e conversamos por horas sobre a minha grande paixão, os livros. À noite, apresentei-a a Paulo, que chegava do trabalho. Ele trocou meia dúzia de palavras e subiu para o quarto. Continuamos nossa conversa literária durante o jantar. Estava extremamente feliz, tínhamos tantas afinidades e ela era uma excelente companhia. Passei a esperar, com ansiedade, a hora dela voltar da universidade para as nossas longas e intermináveis conversas. Observei que, todos os dias, ela e Paulo chegavam juntos por volta das dezenove horas. Paulo trabalhava numa loja de informática perto da faculdade e, coincidentemente, eles pegavam o mesmo ônibus. Chegavam sempre sorrindo, animados. Na segunda semana, isso passou a me incomodar, o que fez com que eu passasse a evitá-la. Clara passou a ser uma obsessão. Passei a ter insônias terríveis imaginando um possível romance entre os dois e todas as noites, antes de dormir, eu perguntava as mesmas coisas:

- Clara lhe atrai, não é mesmo?
- Porra, eu já pedi que parasse com essas perguntas idiotas!
- Está gostando dela, não é?
- Claro que não! Quantas vezes eu vou ter que repetir isso!
- Você fica todo alegrinho quando ela está por perto.
- Você é louca!
- Eu sei de tudo...
- Tudo o quê?
- Você sonha com ela todas as noites...
- Eu vou embora daqui. Estou falando sério!
- Tanto faz...

Ele achava ridículo o meu ciúme, o que me causava grande revolta. Senti algo estranho, um deserto no peito. Passei a não suportar as luzes e a andar pela pensão feito um réptil, grudando nas paredes, me arrastando pelos cantos, pisando mole no chão, para poder vigiá-la. Ela não saía do meu pensamento...
Certa manhã, encontrei a porta do seu quarto entreaberta. Entrei e a vi adormecida sobre a cama. Senti uma vontade enorme de destruí-la. Não sabia de onde vinha tanto ódio, não ainda... Observei, pendurado por um fio de nylon grosso na parede mofada da cama, um enorme espelho. Peguei uma vassoura que estava próxima a porta e com o cabo empurrei com cuidado o fio até a pontinha do prego enferrujado e saí com o coração aos saltos em direção à cozinha. Coloquei uma xícara de café e fiquei esperando. E se ele não cair? Bem, só me resta esperar... Nesse momento, escutei uma pancada seca seguida de um grito fino, estridente. Maldita! Eu sou uma grande Maldita!, pensei correndo em direção ao quarto dela. Ela estava em pé, de costas, aparentemente sem nenhum arranhão. Sem que ela me visse, voltei para meu quarto e encontrei Paulo sentado na cama.

- Que barulho foi esse? – perguntou ainda sonolento
- O espelho do quarto de Clara caiu – falei andando, sem parar, de um lado para o outro
- Essas paredes estão podres, a qualquer momento essa pensão desaba.
- Infelizmente ela não morreu!
- Você me dá medo...
- Então morra logo de uma vez ao escutar essa: Eu armei para o espelho cair! Entrei no quarto dela, hoje cedo, e enquanto ela dormia, com um cabo de vassoura puxei o fio de nylon até a pontinha do prego, mas o maldito espelho só resolveu cair quando ela já não estava mais na cama!
- Chega! Não agüento mais, vou embora desse inferno!

Arrumou, rapidamente, a mala e, sem dizer uma palavra, saiu. Fui em direção ao quarto dela, e a encontrei, sentada de costas, observando pela janela Paulo partir.

- Ele foi embora, está feliz por isso?
- Você sabe o que é frustração? – perguntou num fiapo de voz
- O quê? – perguntei sem entender qual era sua real intenção
- Frustração é querer, realmente, algo e covardemente deixá-lo pra trás

Apesar da penumbra vi que ela chorava. Senti um medo insuportável quando descobri, naquele instante, que todos os sentimentos que passaram pelo meu coração eu sabia diagnosticar, exceto o que passei a sentir naquele momento. Sem saber ao certo o que fazer, nem dizer, fui até a janela e fiquei observando o céu coberto de nuvens, e não menos nublado estava o meu olhar. Ela continuou baixinho:

- O amor foi criado por algum louco, de alguma parte de seu corpo, menos dos olhos, pois nada vê e por isso não privilegia os que enxergam. Talvez tenha sido criado da cabeça, pois seus atos são estranhos e incoerentes; para os que tentam compreendê-lo, queima-lhes o juízo; para os que tentam contradizê-lo, cava-lhes um buraco no peito, pintando seus dias de cinza; para os que tentam fugir, corta-lhes as pernas, fazendo dos que querem correr, rastejar. Somos parecidas, sonhamos com manhãs abençoadas por luas... e para os covardes essa lua é negra...

Um misto de medo e vergonha me invadiu quando senti suas mãos puxando levemente meus cabelos pra trás e com delicadeza serem trançados. A cada movimento delas, sentia nossas mentes se enlaçando como uma espécie de ritual maligno e irresistível. Não sei ao certo se perdia ou ganhava sensatez, quando minha mente, no lugar do recuo, resolveu ultrapassar a linha tênue que separa o amor do ódio, e este, quanto mais próximo do amor, mais terrível se torna e mais escorregadio, pois é feito de lama. Desabei no choro, sentindo minha alma viva, e nela restando, do meu passado, somente a estranheza dos sentimentos vazios. Vai amanhecer e o sol vai aparecer em forma de lua... , pensei prevendo o futuro. Segurei seu punho, sentindo seu coração pulsar fortemente, e sem poder suportar mais, entre soluços, desabafei: Eu te amo, Clara! Eu te amo...
Há dois anos estamos juntas e esse amor me realiza. Às vezes, ele se transforma num ódio passageiro causando grande confusão em meu coração. Qual a diferença do amor e o ódio, mesmo? Não importa! O importante é que, hoje, ele é apenas um pretexto para que eu possa dizer Eu te amo, e me fazer sentir viva, extremamente viva.

28 comentários:

marcelo disse...

legal seu jeito de escrever. parabens e sucesso!

" Poetisa dos Ventos" disse...

Bênçãos Claudinha! Aja talento, matizaste com píncel de letras essa Lua Negra. Parabéns um conto encantador. Deth Haak " A Poetisa dos Ventos"

Rafael Ary disse...

quando vem peça nova???

Ricardo Medeiros disse...

Nossa! Como sempre, fantástico!
Um conto profundamente delicioso,como todos os outros,
Beijos, Claudinha!

Anderson Barross ************** disse...

... cava-lhes um buraco no peito, pintando seus dias de cinza ...
Gostei muito,Parabens Claudia!
Celere como o sentimento,audasioso como o gostar.Muito bom!
BjoO.

MV Produções e Música disse...

Pode reservar meu convite pro lançamento do seu livro,rsrsrsrs Beijaum baby

vagabunda poesia disse...

Quero ver esse teu surto lírico em forma de livro......belo texto menina!
abrazos y besos de tu amigo poeta
libertad siempre
saludos...

Carito disse...

Olá Cláudia! Parabéns pelo blog, parabéns pelo conto! Beijos!

ZN - Notícias disse...

Parabéns pelo belo texto! Sucesso!!!!
Conhecí o seu blog, através do meu amigo Crésio Tôrres. Gostaria muito
qe você visitasse o meu blog.
blogdojadsonqueiros.blogspot.com
O seu comentário é muito importante.
Um grande abraço de, Jadson.

Jose disse...

As vezes eu me acho eu, as vezes eu me acho tu, assim como as vezes de tu faço eu, me sinto grande pelo teu talento que não é talento meu. (Zé Martins)

Ruyter disse...

...é, você continua muito Rodrigueana. Acho que não é do seu tempo, mas ele escrevia umas crônicas diariamente chamadas: "A vida como ela é", não me lembro o jornal. Gosto dos seus escritos. Sinto inclusive uma sublimação a cada nova estória sua. Talvez fosse o caso de você já pensar numa coletânea, quem sabe? Parabéns.

Rodrigo Soares disse...

.. se eu soubesse que tava tao divino quanto os outros textos, teria deixado o trabalho de lado só para vir ler! Beijãozão Claudinha !!

P.S. .. to aguardando o livro hein ?! rsrs

Tácito disse...

Muito bom o conto. Darei a dica lá no Substantivo Plural. abs.

Wescley J. Gama disse...

que texto, Cláudia. Você escreve como quem escreve para não se sufocar pelas sensações. ou o contrário? rs. grande abraço!

Iggor Dantas disse...

Seu blog é maravilhoso !
Um abraço !
bjãooo!

Francione Clementino disse...

Surpreendente como sempre! Gosto da sua forma imponderável, diferenciada de escrever. Sabe fazer mistérios com palavras simples!


Parabéns!!!

Mulher na Janela disse...

tão gostoso de ler o q vc escreve... o jeito como constrói o enredo me lembra lígia fagundes telles...
muito bom mesmo!

beijo, linda!

p.s.: tá linda nessa foto nova...

serrão disse...

muito bom mesmo. colorido, revolucinário. você é o paul gauguim das letras

Cefas Carvalho disse...

Minha linda, belíssimo conto, lírico e longo, mostrando que seu talento tem fôlego para empreitadas outras. Beijos, amor meu!

Wescley J. Gama disse...

que estilo, hein, Cláudia! Grande abraço!

Wescley J. Gama disse...

que estilo, hein, Cláudia! Grande abraço!

Regina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Regina disse...

Sempre me encanto com o que vc escreve..Mais uma vez, parabéns Claudinha !!..Concordo com o pessoal : Qdo vem o livro?...
Saudades
bjs

sandravilarn82 disse...

Realmente incrível.

Alexandre disse...

PRAZER EM CONHECE-LA TBEM...FAÇO QUESTÃO DE FAZER O PROJHTO GRAFICO DE SEU LIVRO..ALEX

Flávia disse...

Que texto lindo. Parabéns.
Flávia

Francione Clementino disse...

Você sabe incutir como ninguém, o lado mau dos relacionamentos. (um lado mau num bom sentido, se é que pode ser). Adoro esse tipo de texto, com uma certa melancolia!

Parabéns, muito bom mesmo!!!

Paulo disse...

Claudinha,
Sua "LUZ NEGRA" ilumina poeticamente nossas mentes.Estou inebriado de tanta prosa poética.Parabéns! continue assim.
Um abraço.