terça-feira, 3 de junho de 2008

Terra de Sant'Ana

Ao lado: Capa do livro
Trecho do espetáculo - 2007
Texto: Cláudia Magalhães


Os seus soldados, os seus sete demônios,
Uniram-se com uma só intenção.
Com a mão direita acariciaram-lhe a carne
Dominaram o seu juízo, a sua razão.
Depois, com a mão esquerda,
Secaram o seu bucho de sertão
Arrancaram-lhe os dentes, cortaram-lhe os cabelos,
E dos seus lábios saiu um perdão.
Ele caiu no precipício, virou pedrinha miudinha.
Sumiram do céu as nuvens de algodão
O minério virou poeira na sua mão
A carne virou terra, o leite virou pedra,
O fogo do inferno rachou, trincou o chão.
O sol virou o olho negro do diabo
O vento fugiu com as cores do sertão.
E nesse cenário preto e branco
O sertanejo com um só coração
E duas cabeças: A fé e a loucura.
Uma olhando pro céu...
A outra pro chão...
Escutava o silêncio e as respostas que ele dá.

15 comentários:

www.cefascarvalho.blogspot.com disse...

Belo texto, como você é bela. Te amo!

Cláudia Magalhães disse...

Obrigada, amor meu! Também te amo e sempre te amarei!

José Correia Torres Neto disse...

Olá, Paraíso Perdido! Descobri você através desse menino apaixonado chamado Cefas. Parabéns pelo blog e obrigado pela visita no Potiguarando e coloquei o seu endereço lá. Beijo grande e abraço carinhoso em Cefas...

José disse...

nossa amiga claudinha..... gosto por demais dos seus trabalhos como dramaturga continue assim te considero uma das maiores escretoras do Rn um abraço do j.junior (tambem autor)

diegobrown23 disse...

Sempre elogiei Claudia por suas belíssimas atuações, de uns tempos pra cá tenho elogiado-a pelos seus belíssimos textos. Parabéns clau!!! Diego Brown

Gilmar Leite disse...

Olha aí a atriz e teatróloga, revelando a veia poética. Valeu. Bjs

Alexandre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre disse...

como são fortes suas palavras. "chegam", saca?
poesia transborda.
em 2005 me deparei com cláudia dramaturga. me apaixonei de cara.
lindo trabalho. um beijo.

joão alexandre

euzinha disse...

Mãezinha... KKKK
Que belo texto,tão bonito quanto a própria SANT'ANA,a avó de todos os netos,mulher forte e cheia de fé ,como nós nordestinas.
Beijo grande você mora no meu coração...Pra sempre.

Moacy Cirne disse...

Cláudia, grato pela visita ao Balaio e parabéns pelo blogue. Sua poesia é forte, forte é a sua presença. Sucesso! E tudo de bom pra você. Beijos.

Joker disse...

gostei da quebra na rima e da descrição. Adorei o blog. Simples e gostoso de ler. Beijo e continue escrevendo firme e forte amiga

annapaulabraz disse...

OH amiga.... toda minha admiração pra ti...vc sempre me emocionou com suas atuações... e agora me emociona com sua poesia. Gostosíssimo de ler....Beijo grande pra ti!

Hebert disse...

E eu tenho estrutura psicológica pra falar deste texto? naum mesmo!

Marcelo disse...

Vc lembra que lá no meu apto do Jacumã vc escreveu na parede sobre o que era o amor? Pois foi ali que vi que vc tinha jeito de escritora. Parabéns pelos lindos contos. Cheio de poesia e realidades. Beijo grande. Marcelo Chaves

Tiago disse...

adoooooooooooooro, vc é uma pessoa muito especial...
eu te amo...
e sobre o texto, eu sou suspeito a comentar!!!!!
kkkkkk
xerimmmmmm